sábado, 28 de novembro de 2015

Intervalo




No intervalo
pequeno espaço
solitário
pobre alma
rola em lençois
olhos secos
agonia
silêncio
só ouve o pulsar

No intervalo
longa noite
açoita o pensamento
ilusão
vazio
arrepios
escuridão ;;;
insõnia
maldita...
duelo insano .

2 comentários:

  1. inspira, escreve. Como vai Cris? Obrigado por tudo.

    ResponderExcluir
  2. Bem e vc ? Grande poeta ...obrigada pela visita ..abraços..

    ResponderExcluir